Resolução de Problemas

Até as últimas décadas a resolução de problemas não tinha um destaque que merecia nas aulas de matemática. Isso por que os currículos de matemática estavam na contra mão de um ensino pautado na criatividade e no respeito por novas idéias matemáticas. Para Schoenfeld (1996) até os anos de 1950 os currículos de Matemática eram relativamente estáveis e “aborrecidos”. Sua afirmação estava baseada no fato de que os estudantes eram incentivados a memorizar fatos e procedimentos, e não compreendiam conceitos ou técnicas de aplicações. Essa realidade começou a mudar a partir do momento que os educadores matemáticos passaram a aceitar a ideia de que o desenvolvimento da capacidade de se resolver problemas merecia mais atenção. Nessa perspectiva a Resolução de Problemas começou a ser apresentada como uma estratégia bastante promissora proporcionando situações em que o estudante lida com informações, analisa possíveis encaminhamentos, busca outras informações, trabalha em equipe e desenvolve o chamado ‘espírito crítico’.

Quando falamos na Resolução de Problemas não podemos deixar de mencionar o  matemático húngaro George Pólya  (1887 – 1985).  Pólya foi considerado um inovador ao discutir pela primeira vez a resolução de problemas na década de 40 com a primeira tiragem de seu livro How to Solve it, em agosto de 1944. Suas ideias tiveram um forte impacto no ensino da resolução de problemas, alicerçando muitas pesquisas posteriores.

“Uma grande descoberta resolve um grande problema, mas há sempre uma pitada de descoberta na resolução de qualquer problema. O Problema pode ser modesto, mas se ele desafiar a curiosidade e puser em jogo as faculdades inventivas, quem o resolver por seus meios, experimenta o sentimento da autoconfiança e gozará o triunfo da descoberta. Experiências tais, numa idade susceptível, poderão gerar o gosto pelo trabalho mental e deixar, por toda a vida, a sua marca na mente e no carácter“. (George Pólya )

Referências

  • SCHOENFELD, Alan. Porquê toda esta Agitação Acerca da Resolução deProblemas? In: ABRANTES, P.; LEAL, L. C.; PONTE, J. P.(Eds). Investigar para aprender Matemática. Lisboa: Projecto MPT e APM. 1996, p.61-72.
  • POLYA, G. A Arte de Resolver Problemas. Rio de Janeiro: Interciência, 1978.